Publicada em: 15/06/2016 às 16:00
Artigos


Internet no Brasil: o problema está na infraestrutura
Por Carlos Brito *

A principal discussão que tem mobilizado a internet nos últimos meses no Brasil é a franquia de dados nos pacotes de banda larga. Desde que as operadoras começaram a divulgar que passariam a oferecer em breve pacotes com limites nos contratos, diversos usuários, autoridades, entidades e movimentos ligados à internet passaram a se manifestar sobre o tema, sobretudo por meio de redes sociais.

Para entender melhor essa discussão, é importante abordar um ponto pouco explorado: a infraestrutura. É preciso ter uma visão ampliada sobre as redes como um todo para o país conseguir suportar a demanda cada vez mais crescente de conexão de alta velocidade.

Em linhas gerais, o acesso à internet é dividido por algumas camadas. A discussão tem ficado restrita à última camada, a de acesso, que é a que de fato chega aos clientes, fazendo o transporte de informação entre o terminal do usuário e o primeiro ponto de acesso da rede. Antes disso, há outras camadas, como a de agregação e de backbone (rede de transporte) e, suportando tudo isso, uma parte essencial do processo: a camada de transporte.

A camada de transporte, juntamente com o backbone, é onde está o principal “gargalo” das operadoras de telecomunicações do Brasil. O investimento nestas camadas está aquém da demanda e, sem uma estrutura sólida neste sentido, uma provedora não consegue crescer e o desequilíbrio causado por essa falta de estrutura é percebido mais para frente. Por outro lado, da mesma forma que o investimento é necessário, surgem as dificuldades de capacidade de investimento das empresas, sobretudo em um momento desafiador como o atual do país.

Uma busca constante das empresas é de diminuir o CAPEX (despesas de capital ou investimento em bens de capital) e o OPEX (despesas operacionais), por isso cada vez mais precisam ir em busca de equipamentos com vida longa, que olham para o futuro e não necessitam de novos investimentos de grande porte, a curto prazo. O pensamento precisa ser em longo prazo.

Duas tecnologias estão revolucionando a forma de operação das redes de telecomunicações, respondendo às demandas no tráfego dos usuários: o Software-defined Networks (SDN) e Network Functions Virtualization (NFV). O SDN centraliza todas as funções das camadas de rede em um mesmo dispositivo, por meio de tecnologias controladoras e programáveis, enquanto o NFV consiste na substituição de hardware especializado por máquinas virtuais. O investimento nesses tipos de tecnologias se torna cada dia mais necessário. Esse é o caminho para as operadoras, enfim, se prepararem para atender a demanda de internet do país.

Esse cenário de infraestrutura não chega aos olhos do consumidor final, que se questiona sobre os verdadeiros motivos das operadoras limitarem o acesso à internet. Certamente não é por falta de investimento na camada de acesso, que é algo que não tem trazido problemas. Está na infraestrutura. As prestadoras não crescem o backbone e a camada de transporte na medida da necessidade.

Um exemplo prático: Com uma internet de 50 Mega, a camada de acesso suporta tranquilamente um streaming. O problema está dali para frente. No backbone, a espinha dorsal da rede, são centenas de pessoas pedindo esse acesso a streaming simultaneamente e é assim que a rede não suporta a demanda. Ou seja, não adianta prover 50 ou 100 Mega para o cliente, sendo que nas outras camadas está atuando com 15 Mega. Todos os efeitos dessa discussão caem na questão de infraestrutura da camada de transporte e backbone, que precisam se tornar prioridade das operadoras para que a situação não precise chegar a esse ponto de limitação de acesso.

* Carlos Brito é General Manager Latam da ECI


Powered by Publique!