Publicada em: 18/02/2019 às 19:00
Artigos


Tecnologia existe. A hora é ousar na linha de produção
Por José Rizzo Hahn Filho*

Imagine suas ideias mais ousadas sendo aplicadas livremente na linha de produção da empresa. Pense em controlar e monitorar todos os setores da fábrica estando em qualquer lugar do mundo. Trabalhar lado a lado com robôs, ver processos que começam e finalizam sozinhos, ter acesso à análises automáticas com dados coletados em todos os setores. Essas e outras ações estão acontecendo neste exato momento e a evolução tecnológica da indústria tem tudo para se fortalecer ainda mais em 2019. Confira abaixo sete tendências que já estão disponíveis para implementação:

1. Inteligência artificial

A inteligência artificial na indústria permite mais produção com menor custo e torna as fábricas mais competitivas e eficientes. De maneira prática, a IA também pode ser aplicada para melhorar o monitoramento do tempo dos ciclos de produção, da quantidade de material utilizado e fornecer informações para reorganizar a linha de produção da forma mais eficiente possível. Robôs com IA são capazes de realizar diversas tarefas impossíveis ou perigosas para o ser humano, como manusear matéria-prima tóxica, analisar componentes microscópicos, inspecionar 100% dos produtos de uma linha de produção e trabalhar por longos períodos sem pausa.

2. Robotização

A robotização apresenta inúmeras vantagens para a indústria. Ela possibilita a utilização de robôs em várias tarefas, como fabricação, manutenção, limpeza e outras funções. Os robôs industriais geralmente desempenham tarefas repetitivas e que exigem precisão. Implementar essa tecnologia na fábrica ficou muito mais acessível por conta dos modelos de locação que permitem usufruir dos benefícios dessa tendência por um preço fixo mensal.

3. Equipamentos Autônomos

Os autônomos, como robôs, drones e alguns veículos, são uma das grandes tendências para 2019. Essas tecnologias usam inteligência artificial para automatizar funções e trabalhar por conta própria, sem necessidade de intervenção humana. Sua automação vai além dos modelos de programação mais tradicionais e cria comportamentos inteligentes que interagem de forma mais natural com o ambiente, objetos e pessoas. Por exemplo: os equipamentos autônomos podem ser acionados automaticamente para buscar suprimentos para a linha de montagem antes que eles acabem. O software entende que é o momento de disparar determinada função na cadeia produtiva e despachar por conta própria o início daquela etapa de produção.

4. Internet das coisas (IoT)

A internet das coisas continua a ser uma das tendências tecnológicas mais importantes para a indústria contemporânea. Basicamente, ela estabelece conexões entre objetos. Conectadas, máquinas podem coletar, analisar e transmitir grandes quantidades de dados e comandos entre si. A IoT nos permite controlar objetos à distância, utilizá-los como provedores de serviços e aumenta a eficiência de vários processos. Essa tecnologia possibilita ampliar a análise da produção através da coleta de uma enorme quantidade de dados, adaptar a produção mais rapidamente de acordo com as demandas, prever problemas, antecipar soluções, gerenciar estoques, reduzir erros e desperdícios e fornecer mais segurança à produção e às instalações da fábrica.

5. Blockchain

Falando em segurança, a blockchain é um tipo de base de dados distribuída que guarda um registro de transações permanente e à prova de violação. Suas bases de dados são compartilhadas de forma pública e universal. Essa descentralização das informações é a sua principal medida de segurança. Considerada a principal inovação tecnológica trazida pelo bitcoin, pois consta em seu código fonte, a blockchain tem servido de base para o surgimento de criptomoedas e bancos de dados distribuídos. Ao eliminar a necessidade de autoridades centrais como mediadoras de transações, a nova tecnologia gera mais confiança, transparência e redução de custos.

6. Análise aumentada (augmented analytics)

A análise aumentada modifica a forma como grandes quantidades de dados são avaliadas, consumidas e compartilhadas. Essa tendência tecnológica automatiza o processo de  preparação de dados e visualização de insights a partir deles. Assim, não apenas os cientistas de dados e sua equipe têm acesso a soluções e insights, mas diversos setores podem tirar proveito da análise automatizada de dados. Todos os funcionários, cada um no seu contexto e, ao mesmo tempo, interligados, podem otimizar suas decisões e o processo geral da empresa.

7. Gêmeos digitais

Um gêmeo digital é uma representação virtual de um sistema do mundo real. Uma fábrica pode, por exemplo, criar um gêmeo digital da linha de produção e aplicar simulações de vários processos nessa criação. Simular a linha de produção significa economia de tempo e dinheiro, além de possibilitar redesenhar todo o processo em minutos, tornando muito mais fácil e eficiente o planejamento das fábricas. A partir dessas situações simuladas, muitas informações podem ser obtidas em prol de melhora na eficiência da cadeia produtiva, tornando-a mais flexível, econômica e dinâmica.

*José Rizzo Hahn Filho é CEO da Pollux e presidente da Associação Brasileira de Internet Industrial (ABII).


Powered by Publique!