NOTÍCIAS
Acesso à Internet reproduz desigualdade social e econômica no Brasil
Por: Ana Paula Lobo - 10/06/2019

Um estudo produzido pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada- IPEA - e divulgado nesta segunda-feira, 10/06, mostra que a falta de acesso à internet repete as mesmas adversidades e exclusões já verificadas na sociedade brasileira no que tange a analfabetos, menos escolarizados, negros, população indígena e desempregados.

Para os analistas do IPEA se a Internet não produz diretamente a exclusão, a reproduz, tendo em vista que os que mais acessam são justamente os mais jovens, escolarizados, remunerados, trabalhadores qualificados, homens e brancos. Logo, sustentam os especialistas, há uma necessidade de se planejarem intervenções sobre os grupos menos favorecidos por meio da estruturação de políticas que visem diminuir as desigualdades de acesso.

O levantamento ressalta que a internet apresenta, de fato, amplos potenciais, dada a sua capacidade de compartilhamento e circulação de grandes volumes de dados por diferentes indivíduos, e também pela possibilidade de descentralização da produção de informações. Isso porque a rede reduziu incrivelmente os custos tanto da produção quanto da distribuição e comunicação de conteúdos, notícias e bens culturais – bens simbólicos que são facilmente disseminados por blogs, redes sociais, fóruns online, plataformas de compartilhamento de conteúdo etc.

O relatório aborda ainda que o surgimento das novas tecnologias de informação e comunicação (TICs) alterou as dinâmicas sociais e impactou diferentes instâncias da vida social nos últimos tempos. Essa potência faz com que a internet seja abordada essencialmente pelos seus aspectos positivos e por sua faculdade emancipadora, mas conforme o estudo - feito a partir dos dados do TIC Domicílio 2017, realizado pelo Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br) - há diferença marcante entre os grupos.

Os analistas do IPEA ressaltam que "a utilização das TICs está diretamente relacionada aos aspectos cognitivos dos sujeitos, como conhecimento de seu uso, acesso à linguagem letrada, nível de instrução, escolaridade etc. Logo, os mais escolarizados são os que mais acessam a internet e também os que possuem maior índice de acumulatividade das práticas, ou seja, são os que demonstram maior compreensão e disposição para o mundo digital."

Os dados compilados pelo IPEA mostraram ainda que há pouca diferença entre os hábitos de acesso dos homens e das mulheres. Em termos de comportamento adotado, se a internet é mais utilizada para compartilhar ou para produzir conteúdo, também não há muita diferença entre a postura adotada por cada um. As mulheres estão mais interessadas do que os homens em compartilhar conteúdo recebido ou postar textos, imagens e vídeos de autoria própria. Os homens estão mais interessados em criar ou atualizar blogs e páginas da internet.

A análise foi feita pelos pesquisadores, Frederico Barbosa, da Diretoria de Estudos e Políticas Sociais (Disoc),Paula Ziviani, do Programa de Pesquisa para o Desenvolvimento Nacional (PNPD) na Disoc/Ipea e Daniela Ribas, pesquisadora do PNPD na Disoc/Ipea. Clique aqui e leia a íntegra do material do IPEA.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:
10/12/2019
10/12/2019
10/12/2019
05/12/2019
04/12/2019
27/11/2019
25/11/2019
14/11/2019
08/11/2019
07/11/2019


Copyright © 2019         Abranet - Associação Brasileira de Internet         Produzido e gerenciado por Editora Convergência Digital