NOTÍCIAS
Mercado de IoT deslancha em 2017; blockchain segue incipiente
Por: Roberta Prescott - 26/01/2017

Projetos de internet das coisas devem aumentar consideravelmente a partir do segundo semestre, marcando 2017 como o ano quando a IoT deslanchou no Brasil. Em apresentação sobre as perspectivas de tecnologia da informação e telecomunicação, a IDC destacou que a principal justificativa para tanto otimismo é a definição de uma política pública e de incentivo para internet das coisas. A consultoria acrecita que o mercado de TIC cresça 2,5% em 2017 - leia reportagem aqui.

O governo lançou o Plano Nacional de Internet das Coisas (IoT), cuja consulta pública vai até 6 de fevereiro com objetivo de lançar o Plano Nacional de IoT durante o GSMA Mobile World Congress, que ocorre de 27 a  1º de março, em Barcelona (Espanha). O plano vai prever ações para desenvolver tecnologias de IoT no Brasil até 2022.

A previsão da consultoria é que o ecossistema de Internet das coisas no Brasil dobre de tamanho até o fim da década, superando os US$ 13 bilhões. O avanço de IoT estará conectado com o uso de ferramentas de análise, fundamentais para transformar dados em valor para os negócios, e com computação em nuvem, que será a plataforma para processar os dados. De acordo com a IDC, até 2019, 43% dos dados de internet das coisas serão tratados na nuvem.

Não tão adiantado como internet das coisas, o mercado de blockchain ainda engatinha no Brasil. O banco de dados distribuído que guarda registro de transações permanentemente e é à prova de violação, como a IDC explica o conceito, terá papel fundamental na transformação digital das empresas, mas seu avanço ainda depende de questões governamentais e regulatórias. De acordo com a IDC, alguns projetos foram desenvolvidos em 2016 e outros virão ao longo de 2017, mas tudo a um ritmo bastante lento.

A importância e disruptura do blockchain equiparam-se à internet, pois ele será o grande registro de documentos, na visão de Pietro Delai, gerente de pesquisa e consultoria para infraestrutura e telecom da IDC. Os projetos vão começar por onde há grande número de atores envolvidos e que dependam de um único banco de dados. Dentro de finanças, Delai aposta que as seguradoras vão abraçar primeiramente o blockchain. “Todos estão falando de blockchain, até software de backup, mas ainda demora para ser realidade. É diferente de internet das coisas que já vai pegar embalo”, destacou.  

Caminho sem volta

Mais consolidada entre as empresas, a transformação digital aparece como condição de competitividade para as empresas. Mas é preciso começar já, salientou Pietro Delai. “A companhia que quiser iniciar o processo em 2020 terá muita dificuldade”, destacou.

No Brasil, pouco mais de 10% das empresas já investem cerca de 5% de seu faturamento em tecnologias inovadoras, essenciais para o processo de transformação digital. Além disto, as empresas precisam, segundo a IDC, basear-se em cinco pilares: liderança, multicanal, informação, modelo de negócio e fonte de trabalho. “Todos estes pilares precisam acontecer, pois as atividades estão inter-relacionadas”, acrescentou.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:
13/11/2017
13/11/2017
06/11/2017
24/10/2017
24/10/2017
11/10/2017
06/10/2017
05/10/2017
05/10/2017
05/10/2017
EDIÇÃO 22
set/nov 2017
Reforma trabalhista: impactos para os ISPs. Conheça o novo cenário e saiba o que muda para as empresas de Internet. E mais: Os robôs chegaram pra valer; A incerteza dos 450 MHz; TIC Educação: o papel dos provedores.
VEJA MAIS EDIÇÕES


Copyright © 2017         Abranet - Associação Brasileira de Internet         Produzido e gerenciado por Editora Convergência Digital