NOTÍCIAS
Operação Attack Mestre: Não paguem extorsão, denunciem os criminosos
Por: Roberta Prescott - 03/09/2020

Procurar a delegacia de crimes cibernéticos ou delegacia distrital e informar a polícia dos incidentes é fundamental para que as investigações possam ser conduzidas e os criminosos possam ser condenados, destacou o coordenador do Laboratório de Operações Cibernéticas da Secretaria de Operações Integradas do Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP), Alessandro Barreto.

Em entrevista exclusiva à Abranet sobre a Operação Attack Mestre, que desarticulou uma organização criminosa que praticava extorsão após bloqueio de rede por meio da Negação de Serviço Distribuído (DDoS) contra os provedores de conexão de Internet, Barreto insistiu muito. “A vítima tem de procurar a polícia e registrar a ocorrência; não adianta pagar as extorsões exigidas, porque isto vai aumentar a incidência”.

A Operação Attack Mestre começou com denúncias de vítimas que procuraram as polícias de Goiás e Tocantins e registraram ocorrência. De acordo com Barreto, as equipes trabalharam arduamente na busca de elementos informativos e resultou em uma operação inédita para o País. Até então, apontou Barreto, não se tinha notícia outra operação deflagrada contra a prática de ataque de negação de serviços que causa prejuízo aos provedores e à população em geral.   

As investigações no âmbito da Operação Attack Mestre iniciaram-se nos Estados de Goiás e Tocantins com objetivo de identificar os atacantes; e a Secretaria de Operações Integradas do Ministério da Justiça e Segurança Pública teve o papel de coordenar e integrar as ações. “Durante nove meses, os Estados e a secretaria de ações integradas trabalharam arduamente para que identificar autoria dos crimes de DDoS contra os provedores de conexão à internet de pequeno e médio portes”, contou. 

Barreto alertou para o fato de a extorsão ser um tópico complexo e que o pagamento uma vez pode incentivar a recorrência do crime. “Depois que você paga uma vez, você vai ficar pagando até não ter mais dinheiro, por isto, é importante que se registre a ocorrência”, afirmou.  Compartilhar boas práticas contra incidentes cibernéticos e trocar informações entre provedores são recomendações do coordenador do Laboratório de Operações Cibernéticas da Secretaria de Operações Integradas do MJSP.

“É muito importante para os provedores que foram vítimas que procurem as delegacias de seus Estados para que os inquéritos policiais sejam instaurados. Com isto, pode haver o empréstimo de provas de um Estado para outro, robustecendo as condenações", insistiu. O coordenador do Laboratório de Operações Cibernéticas da Secretaria de Operações Integradas do Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP), Alessandro Barreto, completou informando que as investigações da Operação Attack Mestre seguem em curso, buscando esclarecer os fatos novos que aparecem.  

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:
25/09/2020
23/09/2020
09/09/2020
03/09/2020
28/08/2020
26/08/2020
31/07/2020
24/07/2020
29/05/2020
27/05/2020


Copyright © 2014-2020         Abranet - Associação Brasileira de Internet         Produzido e gerenciado por Editora Convergência Digital