NOTÍCIAS
Integradores, varejo/atacado e saúde foram os setores mais atacados por malware no Brasil
Por: Admin - 14/01/2022

O Trickbot, Emotet e Log4J foram os malware que mais impactaram no Brasil e no mundo em 2021, segundo o Índice Global de Ameaças da Check Point Research (CPR), divisão de inteligência em ameaças da Check Point Software. Em um mês em que a vulnerabilidade do Apache Log4j varreu a internet, os pesquisadores relataram que o Trickbot ainda é o malware mais predominante, embora em uma taxa um pouco menor, afetando 4% das organizações em todo o mundo (5% em novembro).

O recém-ressurgente Emotet subiu rapidamente da sétima posição para o segundo lugar no ranking global. O relatório mostra também que o setor mais atacado continua sendo o da educação/pesquisa. No Brasil, os três setores no ranking nacional mais visados em dezembro foram: Integradores de sistemas/VAR – Value Added Reseller/Distribuidores, Varejo/atacado e Saúde.

Em dezembro, a “Apache Log4j Remote Code Execution” foi a vulnerabilidade mais explorada, afetando 48,3% das organizações globalmente. A vulnerabilidade foi relatada pela primeira vez em 9 de dezembro no pacote de log do Apache Log4j — a biblioteca de log Java mais popular usada em muitos serviços e aplicativos da internet com mais de 400 mil downloads de seu projeto no GitHub. A vulnerabilidade causou uma nova praga, impactando quase metade de todas as empresas do mundo em um espaço de tempo muito curto. No Brasil, o impacto dessa vulnerabilidade correspondeu, até o momento, a 59% das redes corporativas que sofreram tentativas de exploração.

Os hackers são capazes de explorar aplicativos vulneráveis para executar cryptojackers (mineração de criptomoeda maliciosa) e outros malwares em servidores comprometidos. Até agora, a maioria dos ataques se concentrava no uso de mineração de criptomoedas às custas das vítimas, no entanto, os cibercriminosos avançados começaram a agir de forma agressiva e aproveitar a violação em alvos de alta qualidade.

“O Log4j dominou as manchetes em dezembro. É uma das vulnerabilidades mais sérias que já testemunhamos e, devido à complexidade de corrigi-la e à facilidade de exploração, é provável que permaneça conosco por muito tempo, a menos que as empresas tomem medidas imediatas para evitar ataques”, afirma Maya Horowitz, vice-presidente de pesquisa da Check Point Software.

“No mês passado também vimos a botnet Emotet passar da posição de sétimo malware mais prevalente para o segundo lugar no índice. Assim como suspeitávamos, não demorou muito para o Emotet construir uma base sólida desde que ressurgiu em novembro. É evasivo e está se espalhando rapidamente por meio de e-mails de phishing com anexos ou links maliciosos. Agora é mais importante do que nunca ter uma solução robusta de segurança de e-mail e garantir que os usuários saibam como identificar uma mensagem ou anexo com aparência suspeita”, reforça Maya.

O estudo aponta ainda que, em dezembro, educação/pesquisa foi o setor mais atacado globalmente, seguido por governo/militar e ISPs/MSPs (provedores de internet/provedores de serviços gerenciados). A “Apache Log4j Remote Code Execution” tem sido a vulnerabilidade mais comum explorada, impactando 48,3% das organizações globalmente, seguida por “Web Server Exposed Git Repository Information Disclosure” que afeta 43,8% das empresas no mundo. A “HTTP Headers Remote Code Execution” permanece em terceiro lugar na lista de brechas mais exploradas, com um impacto global de 41,5%.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:
14/01/2022
10/01/2022
30/11/2021
03/11/2021
29/09/2021
04/08/2021
18/06/2021
08/06/2021
04/06/2021
31/05/2021


Copyright © 2014 - 2022         Abranet - Associação Brasileira de Internet         Produzido e gerenciado por Editora Convergência Digital