Publicada em: 24/11/2020 às 08:20
Notícias


Nokia Deepfield: redes resistiram ao ano de “montanha-russa” na Internet
Redação da Abranet

Ao divulgar seu relatório de inteligência de rede, que examina as tendências de tráfego de rede e de consumo de provedores de serviços, a Nokia Deepfield apontou que as redes resistiram ao ano de “montanha-russa” na Internet. O relatório analisa as mudanças globais nos padrões de tráfego da internet na última década e em 2020, com foco em áreas-chave de aplicativos, como streaming de vídeo, videoconferência, jogos e negação distribuída de segurança (DDoS).

Os dados foram coletados de provedores de serviços de rede na Europa e na América do Norte, de fevereiro a setembro de 2020, com informação de rede e dos aplicativos de segurança  do portfólio Nokia Deepfield, que usam análise de big data para monitorar, analisar e entender o tráfego e serviços de rede.

Com a implementação das medidas de confinamento decorrentes da COVID-19 desde  março e abril deste ano, as mudanças comportamentais dos consumidores e nos negócios transformaram, praticamente da noite para o dia, a Internet e a forma como é utilizada pelas pessoas. Segundo divulgou a Nokia Deepfield, muitas redes vivenciaram, em poucas semanas, um crescimento de tráfego (30%-50%) equivalente ao de um ano. Em setembro, o tráfego havia se estabilizado em 20%-30% acima dos níveis anteriores à pandemia e havia a expectativa sazonal de crescimento, por conta do final do ano. De fevereiro a setembro, houve um aumento de 30% nos assinantes de vídeo, um aumento de 23% nos pontos finais de VPN nos EUA e um aumento de 40-50% de ataques de tipo DDoS.

Manish Gulyani, gerente geral e chefe da Nokia Deepfield, destacou que nunca antes se havia demandado tanto e tão repentidamente das redes, ou ainda, de modo tão imprevisível. Uma vez que são as redes que fornecem a estrutura de conectividade para que as empresas e a sociedade funcionem nesse estado de quarentena, há, segundo Gulyani, uma necessidade sem precedentes de informações holísticas e multidimensionais por meio de redes, serviços, aplicativos e usuários finais.  

Depois de monitorar o tráfego de rede durante um período de oito meses, a Nokia Deepfield identificou chegou a cinco conclusões principais para que os provedores planejem a capacidade da rede e serviços de valor agregado para seus clientes:

·       #1 Redes foram feitas para isso. Embora as redes tenham sido mantidas mesmo durante os maiores picos de demanda, dados de setembro de 2020 indicam que os níveis de tráfego permanecem elevados mesmo com a volta à situação de normalidade, o que significa que os provedores de serviços precisam continuar a garantir espaço em suas redes, para futuras eventualidades.

·       #2 Cadeias de distribuição de conteúdo estão evoluindo. A demanda por streaming de vídeo, jogos em nuvem de baixa latência, videoconferências e o acesso rápido a aplicativos e serviços em nuvem exerceram pressão sem precedentes na cadeia de distribuição de serviços de Internet. Assim como as redes de entrega de conteúdo (Content Delivery Networks, CDN) cresceram na última década, espera-se que o mesmo aconteça com a computação de borda na próxima década, o que acabará por aproximar o conteúdo e a computação dos usuários finais.

·       #3 Redes de banda larga residencial passaram a ser uma infraestrutura essencial Com o aumento da demanda (o tráfego ascendente subiu mais de 30%), a aceleração da implantação de novas tecnologias como 5G e FTTH terá um longo caminho a percorrer para conseguir melhorar o acesso e a conectividade em áreas rurais, remotas e carentes. Melhores insights analíticos permitem que os provedores de serviços continuem inovando e fornecendo um serviço impecável com experiências de alta qualidade que fidelizem seus clientes.

·       #4 Ter uma visão profunda sobre o tráfego de rede é essencial. Embora a era da COVID-19 possa ser, em muitos aspectos, incomum a probabilidade é que ela tenha apenas acelerado tendências de consumo, produção e entrega de conteúdo que já estavam em andamento. Os provedores de serviços devem ser capazes de ter à mão insights de rede detalhados, em tempo real e já correlacionados com insights de tráfego na internet, o que significa ter ma perspectiva holística sobre a rede, os serviços e o consumo.

·       #5 Segurança nunca foi tão importante. Durante a pandemia, o tráfego de DDoS aumentou entre 40-50%. Como a conectividade de banda larga passou a ser um serviço essencial, proteger a infraestrutura e os serviços de rede se tornou fundamental. A detecção ágil e rentável de ataques de tipo DDoS, com mitigação automatizada, vem se tornando um mecanismo primordiais de proteção das infraestruturas e dos serviços dos provedores de serviços.


Powered by Publique!