NOTÍCIAS
PIX começa a 'roubar' espaço das TEDs e DOCs no sistema financeiro
Por: Da Redação da Abranet* - 18/12/2020

Ao longo do seu primeiro mês de operação plena, entre 16 de novembro e 15 de dezembro, o Pix registrou 92,5 milhões de transações que movimentaram R$ 83,4 bilhões. O tíquete médio nesse período foi de R$ 896. Quando consideradas as transações entre empresas (B2B), o tíquete médio foi de R$ 14.686. Entre pessoas físicas (P2P), foi de R$ 496. Os números foram apresentados pelo Banco Central em coletiva de imprensa nesta quarta-feira, 16.

Nos últimos sete dias, o Pix respondeu por pouco mais de 30% da quantidade total de transferências interbancárias no Brasil. Ou seja, está rapidamente substituindo TEDs e DOCs. O índice de rejeição do Pix com chave é de 0,5%, enquanto em TEDs e DOCs fica entre 4% e 5%. “Essa diferença não surpreende. Se você precisa preencher um monte de informações para realizar uma transferência, a chance de cometer um erro é muito maior. Por isso o Pix com chave tem índice de rejeição baixíssimo”, disse João Manoel Pinho de Mello, diretor do Banco Central. No caso do Pix sem chave, ou seja, quando o pagador precisa informar os dados bancários do recebedor, o índice de rejeição é de 9,8%.

Adesão

Até agora, 46,4 milhões de pessoas físicas e 3 milhões de empresas cadastraram chaves Pix. Essa quantidade de pessoas corresponde a aproximadamente um terço do total de cidadãos incluídos no sistema financeiro nacional, estima Pinho de Mello. Ao todo, foram cadastradas 116 milhões de chaves, sendo 111 milhões de pessoas físicas e 5,1 milhões, de pessoas jurídicas. O tipo de chave mais popular é o CPF, com 40,2 milhões de cadastros, seguido da chave aleatória (29,1 milhões), do celular (25,9 milhões), do email (18,2 milhões) e do CNPJ (2,5 milhões).

Comércio

Por enquanto o uso do Pix está bastante concentrado entre pessoas físicas. O Pix P2P representa 84% da quantidade de pagamentos instantâneos feitos até agora e 44% do valor dos mesmos. Mas o diretor do BC prevê que a tendência é de crescimento dos pagamentos de pessoas físicas para empresas (P2B), conforme aumente a aceitação do Pix dentro de estabelecimentos comerciais, seja diretamente na maquininha ou em uma tela do sistema de frente de caixa.

Questionado se a baixa adesão do comércio até agora poderia estar relacionada a um temor sobre os preços que os bancos cobrarão pelo Pix das empresas, Pinho de Mello lembrou que o mercado tem liberdade para precificar, mas o BC vai acompanhar de perto para evitar abusos. “Vamos monitorar os preços. Esperamos que sejam módicos”, disse.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:
18/12/2020
14/12/2020
11/12/2020
04/12/2020
24/11/2020
23/11/2020
16/11/2020
16/11/2020
16/11/2020
09/11/2020


Copyright © 2014-2020         Abranet - Associação Brasileira de Internet         Produzido e gerenciado por Editora Convergência Digital