ARTIGOS
Proteção de dados como antídoto a golpes
Por Saymon Leão*
01/02/2022

Se outrora a sociedade convivia com uma onda de sequestros relâmpagos - não que isso não aconteça mais -, que obrigavam as vítimas a realizarem saques no caixa eletrônico, o que dizer da dinâmica dos delitos atuais de golpes cibernéticos, onde grande parte dos casos acontecem envolvendo a exploração indevida de dados pessoais e sequer se utiliza da força física por parte dos transgressores.

As formas de extorsão das vítimas acompanham naturalmente a evolução da sociedade e das tecnologias e isso fica claro quando analisamos os modelos aplicados atualmente. Podemos citar a prática dos criminosos em obter o número do celular das vítimas sob a justificativa de realizar um cadastro em uma eventual promoção. Ou para o acesso remoto de um suposto funcionário da instituição bancária para o cadastro adicional de uma chave PIX. Quando na verdade a informação é explorada para diversos golpes, sempre com grande potencial danoso à vítima.

Os infratores se valem do desejo dos usuários em usufruir de serviços sem "custo" aliada a falta de conhecimento do potencial das suas informações pessoais. Como, por exemplo, quando o titular acessa o serviço de uma rede Wi-Fi gratuita e aberta, possibilitando que as informações armazenadas em seu dispositivo sejam acessadas indevidamente.

Algumas situações são de ingerência das vítimas, como a clonagem de contas do WhatsApp, onde os criminosos se passam pelo próprio titular e fazem contato com pessoas próximas e com familiares. Em muitos casos, solicitam o pagamento de uma conta ou o envio de uma chave PIX para transferência, que já tem adesão massiva da sociedade em menos de um ano do seu lançamento.

Infelizmente, os ataques e ameaças cibernéticas são partes integrantes da transformação digital e registraram aumento durante a pandemia, período em que as pessoas passaram a ficar mais tempo e mais expostas aos aparelhos digitais. Uma pesquisa recente da Febraban mostra que 43% dos entrevistados ou seus familiares já receberam ligações ou mensagens com solicitações fraudulentas. Outros 29% responderam que já tiveram compras indevidas no cartão de crédito. Já a clonagem de celular ou WhatsApp aparece com 18% dos casos de golpes.

A mesma consulta aponta que 86% das pessoas ouvidas afirmam ter medo de serem vítimas de fraudes ou violações dos seus dados. Muitos desses incidentes podem ser evitados. Para isso, é imprescindível que haja uma conscientização coletiva da população em torno do valor dos seus dados pessoais e à sua privacidade, devendo ser difundidas medidas de prevenção e conscientização em torno do tema. Só assim, há possibilidade de os usuários minimizarem as fragilidades e evitarem eventuais incidentes de segurança.

Dentre as alternativas técnicas que impossibilitam a interferência na expectativa razoável de privacidade dos usuários, podemos citar a possibilidade de ativação de confirmação em duas etapas no WhatsApp; a não abertura de mensagens, links e e-mails de destinatários desconhecidos; a utilização de senhas mais fortes, com uso de caracteres especiais; e o hábito de atualizar a mesma com períodos de tempo mais regulares. Outros caminhos são não utilizar aparelhos em rede Wi-Fi gratuita e pública e não acessar serviços privados em computadores e ambientes compartilhados.

Todas essas são dicas de boas práticas que somadas a uma cultura de proteção de dados e privacidade podem evitar as incertezas em torno da exploração de dados pessoais, transparecendo como capazes de evitar a ocorrência de golpes cibernéticos.

Saymon Leão é Advogado da Área Digital e Proteção de Dados do escritório SCA — Scalzilli Althaus

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:
11/05/2022
10/02/2022
01/02/2022
25/10/2021
20/10/2021
11/10/2021
23/08/2021
16/08/2021
12/08/2021
30/07/2021


Copyright © 2014 - 2022         Abranet - Associação Brasileira de Internet         Produzido e gerenciado por Editora Convergência Digital