NOTÍCIAS
Gartner: fornecedores que não se adaptarem à nuvem estão em risco
Por: Redação da Abranet - 07/03/2022

A mudança para a nuvem só tem se acelerado nos últimos dois anos, devido à Covid-19, uma vez que as organizações precisam responder aos novos modelos de negócios e as novas dinâmicas sociais, afirmou, em nota, Michael Warrilow, vice-presidente de pesquisa do Gartner. 

Segundo ele, fornecedores de serviços e de tecnologia que falharem em se adaptar ao ritmo de mudança para nuvem enfrentarão riscos crescentes de se tornar obsoletos ou, no melhor cenário, sendo relegados ao mercado de baixo crescimento. 

A contínua transformação dos mercados de TI por meio da nuvem será amplificada pela adoção de novas tecnologias, incluindo a nuvem distribuída. Os analistas do Gartner preveem que muitas companhias irão aproximar cada vez mais as linhas de investimento entre as ofertas tradicionais e em cloud. 

Segundo o Gartner, a adoção corporativa da nuvem distribuída tem o potencial de acelerar ainda mais a mudança para a cloud computing, de maneira geral, à medida que essa solução trará serviços de nuvem pública para domínios que não eram majoritariamente voltados aos investimentos em cloud, além também permitir a expansão de companhias de mercados endereçáveis. As organizações estão avaliando-o devido à sua capacidade de atender a requisitos específicos do local, como soberania de dados, baixa latência e largura de banda de rede. 

Para capitalizar a mudança para a nuvem, o Gartner recomenda que os fornecedores de tecnologia e de serviços segmentem suas ofertas em frentes nas quais a mudança está ocorrendo de forma mais agressiva, além de buscar novas oportunidades de nuvem de alto crescimento. 

Como exemplo, a consultoria apontou os segmentos relacionados à infraestrutura que têm um nível mais baixo de adoção de ferramentas cloud e devem crescer mais rapidamente do que segmentos como aplicativos corporativos que já são altamente baseados nesse modelo. Os fornecedores também devem visar a ‘personas’ específicas, perfis de adoção e casos de uso com iniciativas de entrada no mercado. 

Setor em alta

Os gastos corporativos de tecnologia da informação com computação em nuvem pública, dentro dos segmentos de mercado endereçáveis (addressable markets, em inglês), ultrapassarão os gastos com TI tradicional em 2025, de acordo com a mais recente pesquisa do Gartner. 

A pesquisa de “Cloud Shift”, do Gartner, inclui apenas as categorias de TI corporativa que podem fazer a transição para a nuvem, dentro dos mercados de software de aplicativo, software de infraestrutura, serviços de processos de negócios e aplicações para infraestrutura de sistema. 

Segundo a análise, até 2025, 51% dos gastos com TI nessas quatro categorias terão migrado das soluções tradicionais para a nuvem pública, dez pontos acima do atual índice de 41%, em 2022. Quase dois terços (65,9%) dos gastos nas operações software de aplicativo serão direcionados para tecnologias cloud em 2025, acima dos 57,7% em 2022. 

Em 2022, as ofertas tradicionais constituirão 58,7% dos gastos nas companhias de mercado endereçável, mas o crescimento de investimento nessas soluções será muito menor do que a nuvem. A demanda por recursos de integração, processos de trabalho ágeis e arquitetura composta impulsionará a mudança contínua para a cloud computing, à medida que as iniciativas de transformação digital e modernização de longo prazo forem antecipadas. Os gerentes de produtos de tecnologia devem usar a mudança para a Nuvem como uma iniciativa de oportunidade de mercado. 

Em 2022, a expectativa é que os gastos corporativos de TI alcancem mais de US$ 1,3 trilhão, crescendo para quase US$ 1,8 trilhão em 2025, impulsionados, principalmente, pela mudança à nuvem, que representará mais de US$ 900 bilhões, segundo o Gartner. 

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:
23/03/2022
07/03/2022
18/02/2022
08/02/2022
21/01/2022
14/12/2021
07/12/2021
10/11/2021
28/09/2021
05/08/2021


Copyright © 2014 - 2022         Abranet - Associação Brasileira de Internet         Produzido e gerenciado por Editora Convergência Digital