NOTÍCIAS
UIT: Preço da banda larga ainda deixa um terço do planeta fora da Internet
Por: Da Redação da Abranet - 06/06/2022

O imenso potencial da Internet para o bem social e econômico permanece amplamente inexplorado, apesar de 30 anos de crescimento constante, de acordo com um novo relatório da União Internacional de Telecomunicações

Lançado para coincidir com a abertura, nesta semana, da Conferência Mundial de Desenvolvimento de Telecomunicações da UIT em Kigali, Ruanda,o Relatório de Conectividade Global 2022 aponta que, embora o acesso à banda larga seja quase onipresente na maioria das nações do mundo rico, vastas faixas da humanidade permanecem excluídas as imensas possibilidades oferecidas pela experiência online, retardando o desenvolvimento econômico e aprofundando as desigualdades globais.

Segundo a UIT, embora o número de usuários da Internet tenha saltado de apenas alguns milhões no início da década de 1990 para quase cinco bilhões hoje, 2,9 bilhões de pessoas – ou cerca de um terço da humanidade – ainda permanecem totalmente offline, e muitas centenas de milhões mais lutam com recursos caros e pobres. - acesso de qualidade que pouco contribui para melhorar suas vidas materialmente.

O relatório defende a colocação da 'conectividade universal e significativa' – definida como a possibilidade de uma experiência online segura, satisfatória, enriquecedora, produtiva e acessível para todos – no centro do desenvolvimento global. Ele também avalia o quão perto o mundo está de alcançar essa conectividade universal e significativa, usando as metas de conectividade para 2030 divulgadas recentemente pela ITU e pelo Escritório do Enviado do Secretário-Geral da ONU para Tecnologia.

O custo das assinaturas de banda larga e dispositivos digitais continuam sendo barreiras à conectividade, confirma o relatório. Embora o acesso à Internet tenha se tornado progressivamente mais barato nos países mais ricos, ficar online ainda é proibitivamente caro em muitas economias de renda baixa e média-baixa.

E embora o custo da banda larga – especialmente a banda larga móvel – tenha caído significativamente na última década, a maioria das economias de baixa e média renda ainda está aquém da meta global de acessibilidade de 2% ou menos da renda nacional bruta per capita estabelecida pela Comissão de Banda Larga para o Desenvolvimento Sustentável.
Com apenas 5% da população global ainda fisicamente fora do alcance de um sinal de banda larga móvel, a lacuna de cobertura agora é ofuscada pela lacuna de uso: cerca de 32% das pessoas que estão dentro do alcance de uma rede de banda larga móvel e poderiam teoricamente, a conexão ainda permanece offline, devido a custos proibitivos, falta de acesso a um dispositivo ou falta de conscientização, habilidades ou capacidade de encontrar conteúdo útil. 
“O acesso equitativo às tecnologias digitais não é apenas uma responsabilidade moral, é essencial para a prosperidade e sustentabilidade globais”, disse o secretário-geral da UIT, Houlin Zhao. de exclusão e trazer a transformação digital para todos."​
Embora o aumento na demanda por acesso à Internet relacionado ao COVID tenha trazido cerca de 800 milhões de pessoas adicionais on-line, também aumentou drasticamente o custo da exclusão digital, com aqueles incapazes de se conectar abruptamente excluídos do emprego, escolaridade, acesso a conselhos de saúde, serviços financeiros, e muito mais.
“Conectividade universal e significativa tornou-se o imperativo global para nossa década”, disse Doreen Bogdan-Martin, diretora do Departamento de Desenvolvimento de Telecomunicações da UIT, que produziu o relatório. absolutamente crítico para o nosso sucesso em alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU."
O relatório 'The Missing Link', publicado em 1984 pela Comissão Independente para o Desenvolvimento Mundial das Telecomunicações, criada pela UIT, identificou uma clara correlação entre o acesso às telecomunicações e o desenvolvimento socioeconômico e instou todos os países a fazer da conectividade uma prioridade.
Quase 40 anos depois, esse 'elo perdido' ainda persiste, mas se transformou em várias divisões digitais:
- A divisão de renda – o nível de uso da Internet em países de baixa renda (22%) permanece muito abaixo do dos países de alta renda, que estão se aproximando do uso universal (91%)
- A divisão urbano-rural – a proporção de usuários da Internet é duas vezes maior nas áreas urbanas do que nas áreas rurais
- A divisão de gênero – globalmente, 62% dos homens estão usando a Internet, em comparação com 57% das mulheres
- A divisão de gerações – em todas as regiões, os jovens de 15 a 24 anos são usuários de Internet mais ávidos (72% online) do que o resto da população (57%)
- A divisão educacional – Em quase todos os países onde há dados disponíveis, as taxas de uso da Internet são mais altas para aqueles com mais educação – em muitos casos, muito mais altas.
O relatório observa que os maiores desafios na conexão dos desconectados não estão mais relacionados à cobertura da rede, mas sim à aceitação e uso. Além disso, apenas 40% das crianças em idade escolar têm acesso à Internet em casa, sendo que muitas só conseguem se valer de serviços online através de um celular com funcionalidade limitada para atividades como o e-learning.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:
28/09/2022
27/09/2022
16/08/2022
30/06/2022
13/06/2022
06/06/2022
06/06/2022
20/05/2022
18/04/2022
04/03/2022


Copyright © 2014 - 2022         Abranet - Associação Brasileira de Internet         Produzido e gerenciado por Editora Convergência Digital