NOTÍCIAS
PIX empata com boletos para meio de pagamento no comércio eletrônico
Por: Da Redação da Abranet - 10/08/2022

O PIX já é 2º lugar no ranking dos meios de pagamento aceitos pelo e-commerce brasileiro. A modalidade tem agora uma adesão de 78%, mesmo percentual do boleto, de acordo com a edição de julho do Estudo de Pagamentos Gmattos.

Pela avaliação da Gmattos, a aceitação do PIX tem potencial para chegar a 92%, considerando o segmento de lojas que ainda não operam com essa forma de pagamento, mas que aceitam algum tipo de recebimento à vista (débito bandeira ou banco, ou boleto). Do grupo de lojas que ainda não aceitam PIX, apenas 8% não operam com pagamentos à vista.

O avanço do pagamento instantâneo lançado em novembro de 2020 tem sido acompanhado pela consultoria desde a primeira edição do Estudo de Pagamentos Gmattos, de janeiro de 2021. Na ocasião, o PIX era o quinto do ranking, aceito por 16,9% dos comércios virtuais no Brasil, enquanto a aceitação do boleto era de 74,6%. Na edição de maio de 2022, enquanto o boleto ostentava uma aceitação de 76,3%, o PIX atingia 74,6%. Em julho, ambos parearam nos 78%.

Vários lojistas, inclusive, têm oferecido incentivos para os clientes pagarem por suas compras com PIX. Descontos de 3% a 10% foram observados em 24% das lojas que aceitam a modalidade, um tipo de estratégia que vem se tornando cada vez mais comum, segundo o levantamento. Em maio/22, 20% das lojas ofereciam descontos para pagamento com PIX, ante 14% em março/22. Descontos para pagamentos com boletos, por sua vez, foram detectados em 9% das lojas na edição de maio do estudo.

Outra verificação da Gmattos é a de que o PIX não tende a eliminar os boletos. Das lojas que aceitam a modalidade de pagamento instantâneo, 82,6% mantêm a aceitação do boleto, ao passo que 34,8% permanecem atuando com algum tipo de débito (bandeira ou banco). Este perfil se mantém em relação aos meses anteriores. “Fica claro que o PIX se tornará a forma preponderante de pagamento à vista para os lojistas”, analisa Gastão Mattos, cofundador e CEO da Gmattos.

Em quarto lugar no ranking dos meios de pagamento no comércio eletrônico aparecem as wallets, que apresentaram ligeira oscilação positiva entre maio e julho -- de 45,8% para 47,5%. A novidade é o NuPay, inserido pelo Nubank para ofertar parcelamentos diferenciados aos seus clientes.

O débito se mantém em quinto lugar, no patamar de 30%, sustentado, principalmente, pela aceitação da modalidade débito banco e mais precisamente pelo Débito Virtual da Caixa Econômica Federal, com claro foco em ser uma opção de consumo para os beneficiados do auxilio emergencial do governo. Se desconsiderássemos o CEF Virtual, a aceitação do débito consolidado cairia de 30,5% para 22%, e a do débito banco, de 18,6% para 10,2%. O débito bandeira está estacionado na faixa de 15% nos últimos meses.

Na liderança do ranking de meios de pagamento no e-commerce no Brasil, segue absoluto o crédito, com 98,3% de aceitação. No entanto, a dinâmica dessa oferta tem sofrido grandes transformações no que se refere ao parcelamento sem juros.

Em julho/22, 15,3% das lojas ofereciam o parcelamento em 12 vezes sem juros, enquanto a oferta exclusiva de cartões em 1 parcela foi observada também em 15,3% das lojas. Esses perfis não sofreram alteração em relação à medição de maio/22. Nos planos intermediários (entre 2 e 11 vezes), contudo, as mudanças foram sensíveis. Em maio/22, a maior frequência de parcelamento era em 6 vezes (34,5%); em julho/22, passou a ser em 10 vezes sem juros (32,2%), o que revela ainda um processo de acomodação da nova sistemática desse tipo de oferta. 

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:
10/08/2022
02/05/2022
15/03/2022
14/03/2022
22/02/2022
07/02/2022
18/01/2022
23/11/2021
07/04/2021
30/03/2021


Copyright © 2014 - 2022         Abranet - Associação Brasileira de Internet         Produzido e gerenciado por Editora Convergência Digital